Buser

Leia a coluna Minas S/A, por Helenice Laguardia

Buser

A startup mineira Buser começou a fazer um mapeamento para identificar as principais cidades e trechos de Minas Gerais que não possuem conexão intermunicipal por nenhum tipo de modal coletivo. O objetivo é fazer um plano de expansão focado na inclusão rodoviária dos mineiros por meio do transporte colaborativo - modalidade na qual os viajantes dividem a conta final do frete e conseguem preços até 60% mais baratos do que nos ônibus das rodoviárias. A empresa vai fazer um investimento de R$ 100 milhões ainda em 2021. A Buser tem como investidores: Softbank, Grupo Globo, Monashees, Valor Capital Group e Canary.  Em três anos de operação, a mineira Buser já tem mais de 3 milhões de usuários cadastrados na plataforma. E mais de 2 milhões de viagens realizadas. “Promover serviços de transporte melhores e a preços mais acessíveis para a população é a nossa missão. É a verdadeira inclusão que buscamos”, afirma Marcelo Abritta, fundador e CEO da Buser. Empresas de fretamento colaborativo de viagens rodoviárias podem atuar livremente em Minas Gerais depois da publicação do decreto nº 48.121 do governo do Estado.

TeamHub

A mineira TeamHub - uma startup do setor de recursos humanos que desenvolveu uma plataforma de gestão descomplicada de cultura e recrutamento - está atendendo a Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. “As empresas que vão iniciar processos de transformação precisam, antes de tudo, passar pela identificação da cultura instalada. O primeiro passo é entender se o ambiente interno suporta as mudanças necessárias”. A afirmação é de Tatiana Santarelli, fundadora e CEO da TeamHub. “Uma das ações adotadas pela Rede São Camilo foi acoplar o trabalho em cultura organizacional ao planejamento estratégico 2021-2022”, diz a Aline Thomaz, CEO da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. Fundada em 2018, em Belo Horizonte, a TeamHub passou pelo Inovativa Brasil, programa do governo federal para aceleração de startups. Desde 2019, a startup mineira tem como sócia a Criabiz Ventures. Em 2020, a Criabiz - que não divulga investimentos individuais - estruturou rodadas que somaram R$ 12 milhões de aportes em startups brasileiras em fase de tração comercial. Em 2021, já somou mais de R$ 2 milhões de investimentos em rodadas. A CriaBiz é uma “venture builder” de startups de inovação digital em fase de tração comercial, conta com um pool de investidores de diferentes regiões do Brasil.

Domicilium e Betim

O Grupo Domicilium e a construtora EPO desenvolveram e lançaram recentemente o bairro Kubitschek em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte. A primeira fase do empreendimento conta com uma área de 430 mil metros quadrados para atrair moradores, comerciantes e empresários. “Após o sucesso da primeira etapa, planejamos o lançamento da segunda fase do empreendimento. Temos uma previsão de faturamento de R$ 200 milhões na segunda etapa”, conta Luciano Boaventura, sócio fundador da Domicilium Engenharia. A Domicilium existe há três anos sendo que os sócios estão no mercado há mais de 12 anos. A empresa conta com 90 funcionários diretos. Em 2021, a previsão de vendas é de R$ 160 milhões e a previsão do Valor Geral de Vendas (VGV) total é de R$ 1,4 bilhões (land bank). Luciano Boaventura explica que o novo bairro emBetim terá iluminação pública em LED, rede de drenagem das águas pluviais, planejamento de tráfego e paisagismo. As ruas serão arborizadas com ipês e cerca de 132 mil metros quadrados serão destinados a áreas verdes e de lazer definitivas.

Simplifica Fretes

A startup Simplifica Fretes, que atua no setor logístico e aduaneiro, lançou tecnologia para o mercado de transportadoras. A plataforma utilizada pelas empresas parceiras tem a integração de um novo dashboard (um painel visual que contém informações, métricas e indicadores da empresa) para análise da performance no fechamento de negócios. “Estamos, há alguns anos, desenvolvendo estudos para disponibilizar, agora, essa funcionalidade, contribuindo para a melhoria do gerenciamento interno das empresas, da produtividade e da competitividade”, afirma um dos sócios fundadores da Simplifica Fretes, Eduardo Labre. A Simplifica Fretes foi fundada em 2016, em Varginha, no Sul de Minas, e é uma das startups investidas pelo BMG UpTech, braço do grupo financeiro BMG. A solução conecta as transportadoras do mercado às empresas e indústrias facilitando os trâmites de cotação de frete, contratação e rastreio. Dessa forma, corporações que demandam carga diariamente ganham agilidade e reduzem gastos em até 25%, além de minimizar os riscos provenientes de uma falta ou falha na comunicação. O sistema permite visualizar o valor, em tempo real, do transporte e solicitar a contratação do serviço, além do rastreamento da carga.

Ibmec BH

Até o dia 11 de junho, as startups de Belo Horizonte podem se inscrever para fazer parte do Ibmec Hubs de Belo Horizonte - espaço para inovação e empreendedorismo. “O objetivo do Ibmec Hubs é contribuir para fortalecer o ecossistema de inovação na região, disponibilizando um ambiente diferenciado para o desenvolvimento de novos negócios. Esse espaço ainda facilitará a conexão entre empreendedores locais, mentores e empresas que estejam buscando inovações aderentes ao seu negócio”, afirma Jaime Bastos, Diretor Geral do Ibmec BH. Inscrição e detalhes clicando aqui.

Take Blip

A Take Blip se juntou ao Órbi Academy Techboost - um dos maiores programas de bolsas de estudo em tecnologia no Brasil, realizado pelo hub de inovação Órbi Conecta e pela plataforma de cursos Digital Innovation One - para oferecer bolsas de estudos gratuitas em bootcamps de formação em linguagens de programação. Ao todo serão distribuídas 30 mil bolsas pela Take Blip ao longo do ano. “Qualquer pessoa que tenha interesse poderá ter acesso aos bootcamps. Até mesmo quem não é da área de tecnologia, poderá transformar sua carreira e se candidatar às vagas em Take Blip e outras empresas de ponta”, ressalta Daniel Costa, co-fundador, Chairman e Head Of People Take Blip. Não há pré-requisitos para a inscrição. Os interessados em evoluir profissionalmente ou iniciar a carreira em tecnologia podem se inscrever pelo site www.orbi.co/techboost, até o dia 27 de maio, e concluir toda a trilha de aprendizado do programa.

TIM e moradores da periferia

A TIM adotou ações de publicidade voltadas para as comunidades Cabana do Pai Tomás, Taquaril e Alto Vera Cruz, em Belo Horizonte. A iniciativa proporciona geração de renda – com o uso remunerado dos muros das casas das famílias – e ainda destina cestas básicas para o G10, bloco das dez maiores favelas do Brasil, a cada painel instalado nas comunidades. Na prática, é como se o morador alugasse o muro, mensalmente, para exibir a publicidade, e a comunidade ainda ganha por distribuir, transportar e reciclar as placas. Além da capital mineira, a operadora já adotou esse modelo de publicidade em áreas carentes do Rio de Janeiro, Fortaleza, Salvador, Recife e João Pessoa. O negócio rende R$ 100, em média, para cada morador que cede o muro. A ação começou este mês em Belo Horizonte e segue até junho, mas a TIM vai avaliar se segue por um período maior. “Este é um momento em que as empresas podem ocupar um papel de protagonismo na sociedade, fortalecendo a conexão entre a marca e as pessoas. Buscamos ultrapassar a fronteira do serviço e gerar desenvolvimento em locais impactados pelos efeitos da pandemia da Covid-19", afirma Daniel Oliveira, diretor comercial da regional Sudeste da TIM Brasil.

Veículos elétricos

A CBMM, de produção e comercialização de produtos de nióbio, firmou mais uma parceira no segmento de baterias. É a canadense Nano One Materials Corporation, que desenvolveu um processo para a redução do custo e o aumento do desempenho de cátodos utilizados nas baterias de íons-lítio. A CBMM e a Nano One irão utilizar o Óxido de Nióbio neste processo, denominado “Processo de uma Única Etapa” (do inglês One-pot process), visando a comercialização no mercado de carros elétricos. A CBMM investe todos os anos cerca de R$ 200 milhões em seu Programa de Tecnologia, para o desenvolvimento de soluções e projetos para diversificar seu mercado de atuação. O Programa de Baterias receberá R$ 60 milhões em 2021, quase o dobro dos R$ 37 milhões investidos no ano passado.